Alunos da ESP-MG apresentam seus temas de trabalho em seminário

Durante dois dias, os alunos da especialização em Comunicação e Saúde da Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) participaram de seminário de apresenação de seus temas de trabalho de conclusão de curso (TCC), com debates e sugestões coletivos com docentes e orientadores. 

Protagonistas da atividade, desde quinta-feira (26), em meio às dificuldades ocasionadas pela produção de um TCC, os alunos compartilharem experiências, dúvidas, métodos utilizados e até referências bibliográficas.

De acordo com o coordenador da especialização, Jean Alves, a essa metodologia proporciona mais integração da turma e estimula a produção dos trabalhos que têm o Sistema Único de Saúde (SUS) como temática norteadora. “Ter o olhar do outro e ver que não estão sozinhos nessa vivência faz toda a diferença. Os trabalhos da turma demonstram uma multiplicidade de temas, que são ações para analisar e intervir com o objetivo de avançar nas discussões de comunicação e saúde, levando para a prática do trabalho na comunicação e/ou assistência”, explica.

Alguns dos títulos dos trabalhos que figuram no seminário são: Comunicação e Doenças Negligenciadas; Intervenção para Melhoria da Comunicação e Informação nas Secretarias de Saúde; Análise de Matérias Sobre o Uso do Anticoncepcional; Comunicação e Informação no Acolhimento na Atenção Primária; Comunicação e Dengue; Intervenção de Comunicação e Informação para Aumento do Número de Doadores de Órgãos e Análise do Discurso da Saúde Mental.

Ainda de acordo como Jean, os temas ainda envolvem comunicação com maternidade, HPV, saúde pública e saúde privada e abordagem de drogas. “Vemos que a comunicação participa de todos os processos do SUS, desde o acolhimento ao usuário às notícias na grande mídia que pautam os discursos”, afirmou.

Expectativa

Luna Normand, aluna do curso e é assessora de comunicação no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apresentou o tema “Noticiabilidade em Matérias de Saúde” e aponta que o seminário será a prévia da defesa do TCC. “Achei excelente. Fiquei muito nervosa então sei que terei de trabalhar isso. Quanto ao trabalho, os colegas deram suas opiniões e é bom porque é um outro olhar, que não o meu ou da minha orientadora”, destacou. 

Para Luna, a oportunidade de cursar a especialização foi fundamental para modificar sua visão e conhecimento da relação entre comunicação e saúde. “É muito importante valorizar o SUS por meio de nossos canais de comunicação e nós como comunicólogos temos esse papel”, finaliza.

Demanda

A segunda turma da especialização em Comunicação e Saúde é constituída por profissionais das mais diversas áreas, o que para Jean Alves mostra a multiplicidade de demandas para qualificar quem atua na saúde pública. “O SUS carece de mais visibilidade e ampliação das vozes da população. Quanto mais comunicação e informação de qualidade, construídas de forma participativa, mais os usuários se apropriarão do SUS como direito. Com isso, você melhora a qualidade do cuidado, da gestão e das políticas, pois as demandas reais aparecem”, diz.

Ele ainda ressalta que “os trabalhadores de saúde devem fazer o exercício crítico de analisar como tem sido efetivada a comunicação e a informação, pois aprendemos a fazer comunicação de uma maneira muito vertical e é necessário desconstruir e democratizar esses processos”, finaliza.

Reta final
 
Os alunos, com o suporte dos orientadores especialistas nos campos da Comunicação Social e da Saúde Pública, irão produzir seus trabalhos e apresentarem em março de 2018.

Extraído de: Secretaria de Saúde de Minas Gerais